Pesquisar neste blogue:

Contador de Visitas:

Web stats powered by www.clubstat.com

Outros pontos de visita:

Ocorreu um erro neste dispositivo

Temas e Assuntos:

Arquivo do blogue

Colaboradores do blog:

-» Futebol

-» T Nogueira

-» Nuno Texas

-» António Fonseca

-» João Miguel Pereira

-» Marcelo Santos

-» Guilherme Pannain

-» Geração Benfica

-» Tiago Ferreira

-» Livre Directo

-» Bruno Miguel Espalha

Para que serve o pressing?

Publicada por João Henrique T.L.C segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Ao obsevarmos várias equipes a jogarem depara-se logo, com uma incontestável deturpação do pressing, porque o pressing é utilizado para neutralizar o adversário, mas que em nada acrescenta a (pretensa) iniciativa de jogo.

Para Cruyff no Milan de Sacchi ninguém dava pontapé para a frente [entenda-se jogo direto] (...) sabiam destruir mas, simultaneamente, concebiam jogadas com essa bola roubada.

A organização defensiva (pressing, por exemplo) de uma equipe deve estar contemplada de acordo como a mesma pretende ter a bola, ou seja, atacar.

Cruyff: Se eu tenho que defender todo o campo serei um mau defensor, porém se só tenho que defender uma casa sou muito bom. Tudo é relativo. Há sempre que ver o espaço que tens que defender e se ao teu lado há gente que te guarda as costas [entenda-se coberturas defensivas] é muito difícil que o adversário marque. O conceito de pressão é um principio básico em futebol que diz que quando tens a bola tens que abrir o campo [entenda-se campo grande] e quando a perdes tens que fechar [entenda-se campo pequeno]. E o que é fechar? É reduzir metros de tal maneira que nesse espaço só possa sobreviver a técnica.

Assim, ao optarmos por um determinado meio [entenda-se pressing] para obter a bola não será altura para refletir como sugere Valdano, pois já que investimos tanto tempo e esforço em roubar a bola ao adversário. Não haverá chegado o momento de perguntarmos que fazer com ela (bola) quando o conseguimos?. Eis uma pergunta simples a que muitos treinadores não se deram ainda o trabalho de responder!!! Senão corremos o risco do futebol não ser mais do que um jogo em que agora tiro eu e a seguir tiras tu, em que os brancos insistem em dar a bola aos vermelhos e os vermelhos a devolver aos brancos, um jogo de chutes para qualquer parte.

Mourinho: Irritam-me as equipes que na Liga Portuguesa e outras jogam e persistem em jogar defensivamente, jogam para não perder, não arriscam, marcam e abdicam de jogar para não sofrer, esquecem o espetáculo, não acreditam que a melhor forma de defender um resultado é controlando o jogo e a posse de bola, e que nas últimas jornadas em que a corda aperta no pescoço e o oxigênio comeca a rarear, libertam-se da filosofia, esquecem medos e tradições e jogam em todo o campo modificando radicalmente a sua catenaciana forma de jogar.

A tentativa de recuperar a bola (pressing) é muito mais do que meramente defender, é recuperar para ter a bola.

O atacar deve estar sustentado sob uma forma de defender, pois o futebol atual depende da capacidade de ter a bola [entenda-se posse de bola].

O pressing revela neste momento de perda de bola um papel fulcral na sustentação do equilíbrio da equipe, ou seja, no acelerar das ações de recuperações (da bola, posições, organização).

Mourinho: Estou cada vez mais convencido de que o momento chave para se defender bem e para se poder fazer zona pressionante é o momento da perda da posse de bola (...) são raras as equipes que sofrem gols quando estão bem posicionadas sob o ponto de vista defensivo. A maior parte dos gols e das situações de risco acontece em situaçõe de transição e, se assim é, penso que o momento da perda da posse é o momento crítico na organização defensiva.

Mourinho reforça a ponderação anterior ao referir que defender bem é defender pouco, é defender durante pouco tempo. Então é necessário ter a bola o mais tempo possivel e isso, é estar a maior parte do tempo com a iniciativa de jogo evitando assim a "a necessidade de estar em ações defensivas [propriamente ditas]".

Menotti: O problema é quando nos centramos em demasia na defesa, esquecendo por completo o como atacar.

Mourinho pensa que quando se possui a bola, também se tem que pensar defensivamente o jogo, mas igualmente válido numa situação defensiva, também se tem que estar a pensar o jogo de uma forma ofensiva e preparar o momento em que se recupera a posse de bola. Porque tal como Faria expõe: é importante ter a posse de bola se ela tiver um objetivo claro como, por exemplo, atacar. Posse de bola por si só não tem significado absolutamente nenhum se não tiver um objetivo claro.

A importância dos aspectos pós-recuperação da bola são evidentes e a
preocupação da sua possivel perda simultaneamente são evidenciados.

O pressing não pode ser visto como uma ação isolada, porque pertence a um todo, e como tal ocorre de uma relação organizada. O pressing carece de organização para se demonstrar regular, e a sua proporção vai influir nas outras partes (outros principios).

O pressing como parte de um todo, deve ter um papel preponderante para o realce desse mesmo todo, ou seja, a articulação de uma parte com as outras partes.

Mourinho revela nitidamente o que é mais importante para a sua equipe: a minha ideia tática principal passa por termos a noção bem clara da coisa mais importante no futebol moderno para além de marcar gols: ter a bola.

Para Ancelotti a posse de bola, se for efetuada de maneira estática e não tiver como objetivo a procura de um ataque eficaz, pode revelar-se uma arma com uma dupla vantagem porque da a possibilidade a equipe adversária de se organizar na fase defensiva e, uma vez reconquistada da bola, de responder com perigosos contra-ataques. Acrescenta ainda, que deve-se saber o uso que se faz da posse de bola.

O pressing tem que ser usado como um meio (recuperar a bolar para poder atacar), não como um fim (apenas se defender).

Referências Bibliográficas:

Uma "(des)baromatriz(acção)" concepto-comportamental da(s) zona(s) pressing. - Monografia de Abílio da Torre Ramos.

3 golos

  1. Interessante, há maneira de ter acesso a essa monografia ? Está publicada?

    Uma das coisas mais interessantes na "terminologia" de Jorge Castelo é o enfase que dá, nos seus principios gerais do ataque a preparação da perca de bola ( e consequentemente, nos principios gerais da defesa, a preparação da recuperação )

    Mais do que o momento de transição em si ( perca ou recuperação da posse da bola ) é importante preparar esses momentos, Seja em organizar a equipa para defender, como preparar a equipa para atacar.

    Bom post!

     
  2. Bruno, pode baixar essa monografia acessando o seguinte link: http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/14588

    Nesse mesmo site poderas encontrar outras monografias, dissertacoes de mestrado etc.

    Forte Abraco!

     
  3. Valeu, Bruno. Afinal, o futebol ee isso, como diz Valdano, "quando o time perde a bola todos devem se converter em defesas e quando se ganha a bola todos devem se converter em atacantes". Entretanto, esse convertimento tem que ser organizado, dai entra a periodizacao tatica.

    Um abraco!

     

Enviar um comentário

No Futebol "O Desporto Rei" todos os comentários são aceites, desde que os mesmos não contenham qualquer tipo de palavreado não adequado, que impere o respeito e que não sejam com o intuito de fazer apenas e só publicidade. Para este último aspecto, assim como para eventuais trocas de links, façam o favor de nos contactar para o nosso endereço de email (Gmail).

ESTAMOS NAS REDES SOCIAIS:

ESTAMOS NAS REDES SOCIAIS:
Adiciona-nos e ajuda-nos a divulgar um projecto que pretendemos retomar em breve.

Followers

Parcerias:

Parcerias:
A Mística Azul e Branca traz-nos o "Poder Portista".

A Norte de Alvalade traz-nos "De Leão ao peito".

O Blog Geração Benfica traz-nos "Benfica by GB".