Pesquisar neste blogue:

Contador de Visitas:

Web stats powered by www.clubstat.com

Outros pontos de visita:

Ocorreu um erro neste dispositivo

Temas e Assuntos:

Arquivo do blogue

Colaboradores do blog:

-» Futebol

-» T Nogueira

-» Nuno Texas

-» António Fonseca

-» João Miguel Pereira

-» Marcelo Santos

-» Guilherme Pannain

-» Geração Benfica

-» Tiago Ferreira

-» Livre Directo

-» Bruno Miguel Espalha

Mundial 2010 - Balanço do dia

Publicada por Tiago Ferreira sexta-feira, 2 de julho de 2010

Começaram os quartos-de-final, e com eles voltou a emoção.

No primeiro jogo, esperava-se um grande espectáculo, e não era para menos, encontravam-se Brasil, crónico candidato à conquista do troféu, e a Holanda.
No início tudo parecia apontar para uma tarde de sonho para os “canarinhos”, que marcaram cedo e jogavam a seu bel-prazer, a Holanda, embora reagindo bem ao golo sofrido, era inconsequente face ao futebol bonito e perfeito praticado pelo Brasil, o melhor por eles exibido na competição.

No entanto, a Holanda entrou transfigurada no segundo tempo, e fruto duma grande exibição quer colectiva, quer individual de alguns jogadores conseguiu a primeira reviravolta deste Mundial e arrumou o Brasil com duas bolas a uma.

Num jogo com duas partes distintas, a Holanda por aquilo que fez na segunda parte mereceu a vitória naquele que foi o melhor jogo do Mundial e a consequente passagem às meias-finais. Robben e Sneijder, impulsionados por um grande colectivo, mostram a cada jogo que passa que esta laranja se pode tornar mecânica.

Na outra partida do dia, que opôs o Uruguai, à única selecção do continente anfitrião em prova, Gana, houve emoções fortes, impróprias para aqueles com problemas cardíacos. O jogo foi sempre repartido, e muitas vezes bem jogado, e por existir todo esse equilíbrio chegou aos 90 minutos empatado a uma bola. No prolongamento, o nó persistia em não ser desfeito, até que aos 120+2’ livre na direita a favorecer o Gana, bola bombeada para a área e, no meio de uma confusão enorme, Suaréz é “obrigado” a defender com as mãos a bola que se preparava para transpor a linha de golo. Sem grandes dúvidas Olegário Benquerença assinalou de pronto grande-penalidade. Era um final dramático, Suaréz, expulso, saiu do campo a chorar, e com ele, certamente, milhões de uruguaios. Esta tristeza contrastava com a alegria e euforia dos ganeses que sentiam as meias-finais tão perto. Chamado para cobrar o castigo máximo, Gyan, cheio de confiança atirou ao ferro, naquele momento em que o tempo parou, os sentimentos de uruguaios e ganeses, quer dentro das quatro linhas, quer por esse mundo fora, sofreram uma volta de cento e oitenta graus. E lá foi a partida para a decisão na lotaria das grandes penalidades, aí o Uruguai levou a melhor e “El Loco” Abreu selou a passagem com um penalti “à Panenka”. Suaréz acabou por ser decisivo.

O Uruguai, organizado, agora com a confiança reforçada e com Forlán a aparecer nos momentos decisivos já pensa nos tempos de outrora e em alcançar a final, mas para isso terá de ultrapassar a Holanda. Mais um grande jogo em perspectiva.

0 golos

Enviar um comentário

No Futebol "O Desporto Rei" todos os comentários são aceites, desde que os mesmos não contenham qualquer tipo de palavreado não adequado, que impere o respeito e que não sejam com o intuito de fazer apenas e só publicidade. Para este último aspecto, assim como para eventuais trocas de links, façam o favor de nos contactar para o nosso endereço de email (Gmail).

ESTAMOS NAS REDES SOCIAIS:

ESTAMOS NAS REDES SOCIAIS:
Adiciona-nos e ajuda-nos a divulgar um projecto que pretendemos retomar em breve.

Followers

Parcerias:

Parcerias:
A Mística Azul e Branca traz-nos o "Poder Portista".

A Norte de Alvalade traz-nos "De Leão ao peito".

O Blog Geração Benfica traz-nos "Benfica by GB".